terça-feira, 30 de janeiro de 2007

O início, o fim e o meio






Como fã de Raul Seixas tenho uma predileção pelos seus primeiros discos na Philips. Pesquisando a história do baiano cheguei ao nome de Jay Vacquer como o músico que gravou muitas guitarras tão características dessa fase inicial da obra de Raulzito. Ouça Al Capone e aqueles dois solos simultâneos com wah wah para ter uma idéia do que tou falando.
A história de Jay é muito interessante. Nascido em Morgantown, West Virginia nos EUA, Jay é filho de um militar americano e de mãe brasileira. Começou a tocar guitarra na Alemanha, onde o pai servia o Exército. Em 1969 casou-se com a cantora brasileira Jane Duboc que tinha ido para a América do Norte. Montaram uma banda baseada em Hendrix, Cream e Led Zeppelin, chamada Fane. Com essa banda vieram ao Brasil curtir e tocar em Belém e no Rio de Janeiro, bancados pelo sogro de Jay. Numa visita a Teresópolis, o músico conheceu Raul Seixas, então produtor da CBS. Os dois se entenderam bem e Raul convidou a banda Fane para assinar um contrato e gravar um LP. O disco foi censurado pelas autoridades brasileiras mas os dois músicos continuaram a parceria. Quando Raul finalmente lançou-se em carreira solo, Jay estava ao seu lado.

Raul viria a se casar com a irmã de Jay, Glória Vacquer, e os dois tornaram-se cunhados. E onde eu queria chegar é no site de Jay Vacquer que descobri. Lá você pode ler (em inglês), causos incríveis que Jay viveu com Raul( no link NAAS Journals). Turnês pelo Brasil, doenças venéreas, macumba em Salvador, escaladas de montanhas no Rio, experiências de quase-morte, é uma coleção de histórias muito, mas muito boas mesmo e eu recomendo. Há fotos de Raul, de Jay e de outros músicos brasileiros como Marcos Valle, Laudir de Oliveira e umas surpresas. Vai lá.

3 comentários:

Alexandre Gonçalves disse...

Já ouvisse o Vida e Obra de Johnny McCartney, do Leno, produzido pelo Raul em 70/71? Puta disco, sonzão. Gosto pra cacete. Tem esse clima 60/70 nas guitarras que tu conhece tão bem (tem um pouco da história do disco nesse link).

E sobre o Jay Vacquer, quando li o nome, levei um susto: pensei que tavas falando do filho dele. Muito ruim (cópia palha do palha do Robin Willians :s).

Abs.

Ulysses Dutra disse...

Pô Alex, eu tenho um disco do Leno que tem 2 músicas bônus do Vida e Obra..., Peguei uma Apolo e Johnny MacCartney. Se tu tiver o álbum completo me interessa muito.
E o filho do Jay é palha mesmo né. Detalhe que o nome do pai era (é?) Gay Vacquer. Mudou por motivos óbvios hehe. Um abraço

Ulysses Dutra disse...

Ah. Valeu pelo link do site do Leno. Encontrei no YouTube uma matéria de TV com ele sobre o disco e um papo sobre o Raul.

http://www.youtube.com/watch?v=Y5DWNHuvNOs

http://www.youtube.com/watch?v=PLopJ8lvDMA