segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Guitar hero




Acabei de ler a autobiografia de Eric Clapton. Vivendo a melhor época de sua vida, ao lado da esposa Melia e das três filhinhas, o grande guitarrista abriu o verbo e conta tudo sobre a vida de sexo, drogas e blues.

Deixo vocês com o parágrafo que encerra o livro:


"A cena musical como a vejo hoje é pouco diferente de quando eu estava crescendo. Os percentuais são aproximadamente os mesmos: 95% de lixo e 5% puro. Contudo, os sistemas de marketing e distribuição estão no meio de uma enorme guinada, e por volta do final desta década creio ser improvável que qualquer uma das gravadoras ainda esteja no negócio. Com todo o respeito a todos os envolvidos, isto não seria grande perda. A música sempre vai achar um caminho até nós, com ou sem negócios, política, religião ou qualquer outra baboseira ligada a ela. A música sobrevive a tudo e, como Deus, está sempre presente. Não precisa de ajuda, e não é obstruída. Ela sempre me encontrou e, com a benção e permissão de Deus, sempre haverá de encontrar".

2 comentários:

JD disse...

O legal do livro, além da honestidade com que ele relata as suas experiências, é ler sobre as histórias que estavam por trás dos músicos e discos que serviram de trilha sonora pra nossa história de vida. Foi o melhor livro que li em 2007.
Ah, e parabéns pelo blog.

Ulysses Dutra disse...

Valeu pela visita e comentário JD! Um abraço