quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Objetividade imparcial




Esse senhor Ali Kamel, diretor de jornalismo das Organizações Globo, se supera a cada artigo. Neste aqui, uma coluna na página de Opinião do “Globo”, diz ele sobre a cobertura do acidente da TAM : " Consumidores exigentes, grande público e cidadãos conscientes não são três entidades distintas, mas uma única realidade. Na cobertura da tragédia da TAM, a grande imprensa se portou como devia. Como não é pitonisa, como não é adivinha, desde o primeiro instante foi, honestamente, testando hipóteses, montando um quebra-cabeça que está longe do fim...".

Lá do blog do Nassif, onde descobri tal texto, tem um comentário de Lu Dias, muito pertinente e que reproduzo:


Caro Nassif

Chega a ser uma piada a explicação do senhor Ali Kamel referente à postura de grande parte da mídia sobre o episódio da TAM.
Penso que nem mesmo um aluno do primeiro ano de jornalismo seria tão ingênuo (para não dizer imbecil).
Fico imaginando a postura de uma cabeça dessas à frente de uma indústria farmacêutica. Iria parar no xilindró ao “testar suas hipóteses”, depois de levar, irresponsavelmente, muitas pessoas à morte.

Qualquer cidadão, por mais rudimentar que seja o seu saber, tem consciência de que testes são sempre sigilosos até que se tenha a comprovação da verdade.
Explicitemos para o senhor Ali Kamel alguns exemplos bem singelos:

1 – O professor somente dá a nota do teste, ao aluno, após a confirmação do número de seus acertos e erros. Até então permanece calado.

2 – O médico somente dá o diagnóstico da doença, ao paciente, após a comprovação dos resultados dos exames feitos. Até então evita levar cliente ao desespero precoce.

3 – O instrutor somente dá a notícia de sua aprovação ou não, ao futuro motorista, após o término do exame de rua, quando não mais será capaz de afetar o seu raciocínio e sua concentração. Até então o bom senso prevalece.

4 – O atleta somente é avisado de seu lugar no pódio, após a apresentação de todos os atletas concorrentes. Até então o sigilo permanece.

5 – A futura mamãe somente tem certeza do sexo de seu esperado rebento após a confirmação do exame de ultra-som. Até então não compra roupinhas cor de rosa.

6 – O candidato político somente tem certeza de sua vitória após a abertura das urnas. Até então permanece discreto. Nada de poses de vencedor.

Nenhum dos personagens, acima citados, baseia seus resultados em hipóteses, levando em conta umas coisinhas bem conhecidas:
Ética
Profissionalismo e
Responsabilidade.

SERIA PEDIR MUITO AO SENHOR ALI KAMEL E A SEUS COLEGAS?

3 comentários:

César xrmr disse...

Esta do Kamel foi lamentável mesmo. Na boa, o cara é tão tosco que a família Marinho deveria despedi-lo. Dá para entender que eles queiram um editor FDP, mas não dá para entender o que eles querem com alguém sem a competência requerida.

Dauro Veras disse...

Bota tosco nisso :)

Ulysses Dutra disse...

Feito a facão!