domingo, 19 de agosto de 2007

Viva a arte catarinense



E não custa relembrar que nesta segunda, 20 de agosto, haverão duas sessões gratuitas de pré-estréia do documentário Luiz Henrique - No Balanço do Mar, de Ieda Beck, no CIC - Centro Integrado de Cultura em Florianópolis.

É um importante registro de um músico fenomenal, desconhecido em sua terra e admirado ao redor do mundo. O filme e junto com ele o relançamento, pela família, do disco Mestiço são uma oportunidade e tanto para que Luiz Henrique seja mais conhecido e ouvido.

E o álbum relançado pela família tem a capa feita por outro genial artista florianopolitano, Hassis. Este foi um importante membro do Grupo Sul, que movimentou a arte catarinense ao trazer o modernismo para cá nos anos 50(!).

Hassis se tornou conhecido como pintor e ilustrador mas gostava de fazer experimentos com super8 sensacionais. Ele pintava e raspava direto no negativo criando obras magníficas, como o filme Batucada.

Em outro ele faz uma homenagem à Florianópolis que tem como trilha Luiz Henrique no violão. E a música é absurda. O cara simplesmente esmerilha nas 6 cordas. Batidas percussivas, solos oitavados, slides, o diabo. É um Luiz Henrique nunca registrado em um do seus discos.

Assisti esses vídeos pois foram incluídos no documentário Hassis – Um AutoRetrato Imaginado, uma autobiografia Inventada – de Marco Martins e Ricardo Weschenfelder, lançado em 2005.

Um pouco da obra de Hassis segue neste vídeo:


2 comentários:

Lucian Chaussard disse...

de fato 'registro' foi uma boa escolha de palavra.

Anônimo disse...

Não vi o filme mas já gostei!
abs
Zé Dassilva