quinta-feira, 3 de maio de 2007

Operação Moeda Verde

De cair o queixo. A Polícia Federal deflagrou hoje de manhã uma operação para cumprir mandados de prisão contra políticos,empresários e funcionários públicos de Florianópolis acusados de negociar licenças ambientais. Na lista dos procurados nomes muito frequentes nas colunas sociais. Não façamos pré-julgamentos mas que aí tem coisa tem. E muita. Nove meses de investigação fundamentam a decisão do juiz Zenildo Bodnar, da Vara Federal Ambiental de Florianópolis, que pretende impedir a destruição de provas. A Justiça Federal emitiu a seguinte nota:

Por determinação da Justiça Federal, policiais federais começaram a cumprir hoje mandados de prisão temporária contra várias pessoas e de busca e apreensão em órgãos públicos, empresas e residências, expedidos em inquérito que investiga a existência de um esquema de venda de leis e atos administrativos de conteúdo ambiental e urbanístico, em favor de grandes empreendimentos na Ilha de Santa Catarina.
Os mandados foram expedidos por ordem do juiz Zenildo Bodnar, da Vara Federal Ambiental de Florianópolis, que determinou as medidas de prisão e busca e apreensão por considerá-las necessárias à eficácia das investigações e sobretudo para preservar as eventuais provas a serem obtidas.
A operação da Polícia Federal, denominada Moeda Verde, investiga a ocorrência de crimes contra a ordem tributária, falsificação de documento, uso de documento falso, formação de quadrilha, corrupção e tráfico de influência. As prisões temporárias (22 mandados), que começaram a ser efetuadas durante a madrugada, foram decretadas contra vereadores de Florianópolis, servidores públicos e empresários, entre outros.
As buscas e apreensões devem ser feitas na Secretaria de Urbanismo e Serviços Públicos de Florianópolis (Susp), no Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis, na Fundação do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), na Fundação do Meio Ambiente (Fatma), em escritórios de empresas e residências.
Na decisão, o juiz Zenildo Bodnar deixa claro que as prisões não implicam juízo de valor sobre a culpa ou inocência dos envolvidos, a serem devidamente apuradas no curso regular do processo, com respeito ao direito à ampla defesa.


Leia aqui a lista completa.

5 comentários:

Daniel Becher disse...

Ate que enfim as notícias saíram de apreensão de maconha e prenderam algo mais "grandioso"

:P

[]s

Anônimo disse...

Grande lance "seu" Juiz ! Agora falta prender os donos de hoteis e comerciantes da Cachoeira do Bom Jesus que lançam esgotos no mar e depois, na maior cara de pau, arrancam a placa da Fatma que sinalizaria a praia como imprópria para banho. Isto também não é crime ambiental ? E os manezinhos "espertos" ficam a gozar da cara dos turistas....

Jean Scharlau disse...

Beleza pura, essa.

Ulysses Dutra disse...

Rapaziada

Ontem foi um dia histórico em Florianópolis. Beleza puríssima Jean! A PF tá de parabéns.

Um abraço

Walter P. Carpes Jr. disse...

Nosso governador tem declarado que a operação Moeda Verde vai afastar os investidores da ilha. Ele acha que os empreendimentos na ilha são mais importantes que a preservação do nosso frágil meio ambiente, já tão maltratado. Como se a geração de empregos justificasse qualquer coisa, incluindo edificações sobre mangues, áreas de restinga, etc. Luiz Henrique deveria aproveitar melhor suas viagens à Europa e aprender um pouco com os administradores do velho continente. Por lá, eles já aprenderam que a maior riqueza é a qualidade de vida da população bem como a preservação de sua cultura e de suas cidades. Enquanto isso não ocorre, LHS poderia ao menos evitar dar opiniões equivocadas. O tráfico de drogas e a indústria da pirataria também dão muitos empregos. Será que, por isso, devemos incentivar a vida de tais “investidores” para cá? A operação Moeda Verde vai sim afastar alguns investidores, mas justamente aqueles nefastos para nossa cidade. Só por isso já teria sua importância. E mais um detalhe: em geral, os bons empregos gerados nos empreendimentos sob suspeita são dados a pessoas de fora. Os trabalhadores locais geralmente ficam com os piores empregos e com os menores salários. Provavelmente isso se deve ao preconceito (quase sempre injustificado) em relação aos nativos. Ou seja: em vez de empregar os habitantes locais, trazem pessoas de fora, aumentando ainda mais a já alta população da cidade. Basta ouvir os sotaques dos empregados para ver que estou certo. Poucos ousam afirmá-lo, mas é fato. Há alguns dias liguei para o cinema do shopping Iguatemi e fui atendido com a frase: “Cinesystem São Leopoldo, Boa noite!”.
Assim como muitos, também espero que a operação Moeda Verde seja um marco na história da cidade. E que ajude a mudar as mentalidades, não só de empresários e de governantes, mas também de muita gente que acredita que excesso de concreto é sinal de progresso. Florianópolis é especial por causa de sua cultura, de seu povo e de suas belezas naturais. Quem quiser ver obras grandiosas, gigantes de concreto, sempre terá a opção de ir a outras cidades. Mas não incentivem a destruição de nossa querida e linda terra.